Raça Negra 2019 – Sabe da última? Vem aqui saber!

Clima bom de final de semana, saídas românticas, churrasco em família, bares com amigos e viagens inesquecíveis. Andar de carro com a janela aberta pra sentir o vento e o sol na pele ao mesmo tempo. Na mesa de bate papo, o pagode ao fundo, as risadas, e no meio da conversa ficamos sabendo como a música do Raça Negra foi escrita.

Luiz Carlos, vocalista do grupo, conta: “quando eu escrevo sou meio fofoqueiro, a música  – É Tarde Demais – foi assim. Um amigo me disse que a sua esposa foi embora, porque ele não poderia ter filhos. O rompimento deixou ele arrasado. Ela separou-se e teve duas crianças, depois de 8 anos quis voltar, pois descobriu que o grande amor da vida era ele, mas ai era tarde demais e ele já tinha um outro amor”. O amigo seguiu a vida com seu novo amor e a moça com seus filhos queridos. Entretanto, a história vai ficar marcada para sempre na sequência de notas harmônicas que geram o ritmo gostoso da música.

A música “É Tarde Demais” tem 91 palavras, mas seu alcance foi milhares de vezes maior. Afinal, a canção entrou para o Guiness Book  por ser executada 600 vezes em um único dia! Além disso, o álbum lançado em 1995, vendeu 1,6 milhão de cópias.

Música brasileira, o samba, tem tudo a ver com a gente. Raça Negra foi formado na cidade de São Caetano do Sul em 1983. Ainda, é um dos pioneiros no desenvolvimento do pagode romântico no Brasil. As suas músicas, carregadas de emoção e vida, foram também influenciados pelo reggae.

Raça Negra – tema de muitas histórias em novelas

Sabe aquela música que parece que fala com você? Elas falam mesmo e em toda a sua dimensão. A música é o elo que une nossas histórias e nossos amores. Esses amores podem ser pessoas, bichos, livros, esportes ou qualquer outra coisa que faça bem para o coração. Do mesmo modo, podem ser até novelas, pois elas também tocam nosso coração. Sem qualquer juízo de valor, cada um sabe de seus amores.

Raça Negra gravou em 1997 a música: “Sempre Há Saída”, que foi tema da novela “Por Amor”. A trama teve uma história linda e contou com um elenco de primeira como Regina Duarte, Antônio Fagundes e Suzana Vieira, entre outros. E a trilha excelente com músicas de alta qualidade, como a canção de abertura, “Falando de Amor“, do grupo Quarteto em Cy, que faz lembrar das aulas de literatura. Um poema lindo a respeito do eu lírico feminino e trovadorismo. Sem dúvida esse foi um dos melhores CDs de novelas, todas as músicas são boas…clique aqui para relembrar ou conhecer as músicas.

Em 2019 volta às novelas, agora música da personagem de Juliana Paes do enredo das 21:00: “A Dona do Pedaço”. Um grande sucesso do grupo Raça Negra, “Cheia de Manias”, é tema de Maria da Paz. A morena jambo cheia de charme, firme, determinada e super bonita combina muito com a música! Veja aqui que bacana 😀

Vai fazendo seus bolos ai, Maria, que por aqui vamos curtindo junto no estilo Tsound. E com a camiseta “Sambinha, Pagodinho e Partido Alto”. A estampa traz três ritmos que adoramos e contamos aqui pra vocês as características.

Samba, Partido Alto e Pagode

E nas rodas de samba a gente gosta muito de uma boa conversa regada a muitas risadas e claro, nossa cultura! Você sabe a diferença entre esses ritmos escritos na estampa da nossa camiseta e citados no título? Eu pesquisei e descobri os principais estilos de samba no canal do Rudá Cabral com o texto da UOL aqui, veja que interessante:

Samba de raiz

O Samba de Raiz surgiu nos morros cariocas, popularizado no espaço do Cacique de Ramos. Um dos objetivos do grupo era resgatar o samba tradicional, ou de partido-alto, daí o termo “raiz”. Foi o Cacique de Ramos, por exemplo, que ajudou a revelar artistas como Arlindo Cruz, Jorge Aragão, o grupo Fundo de Quintal e o próprio Zeca Pagodinho. O samba de raiz se caracterizou pela introdução do banjo nas composições, mas ele também utiliza pandeiro, cavaquinho, cuíca, surdo, violão e violão sete cordas.

Partido-alto

No início do século 20, o partido alto era um samba instrumental, de “alto-gabarito”. Na década de 40, nos morros cariocas, ele passa a ser cantado por duas ou mais pessoas, em desafios de improvisos em forma de versos. A palavra “partideiro” atualmente é usada para designar os cantores que improvisam versos de samba, seguindo a melodia e o ritmo. O próprio Zeca Pagodinho é um dos expoentes na área, ao lado de outros nomes com Sombrinha, Almir Guineto, Jovelina Pérola Negra e Dudu Nobre.

Pagode

Antes da palavra pagode ser utilizada para designar um tipo de samba, ela era utilizada como sinônimo para festa, brincadeira, baile popular, onde se tocavam sambas. Foi só a partir dos anos 70 que a palavra virou uma vertente do samba, representado por grupos como Exaltasamba, Molejo, Raça Negra, com letras mais românticas. O pagode se expandiu pelo Brasil e surgiram subgêneros regionais, como o pagode baiano e o paulista.

Além desses, existem outros, tais como: Bossa Nova, Samba de breque, Samba-rock, Samba-canção e Samba-enredo. Na minha opinião são todos excelentes e só trazem coisas boas!

E, ainda, Raça Negra está pelo Brasil na turnê: “Raça Negra e Amigos II’, que é baseada no álbum de mesmo nome, lançado em 2017.

Pronto para a vibe boa do verão? Nós também, então é só ensaiar os passinhos de samba e vem com a gente!!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *